avesdeportugal.info
© avesdeportugal.info - Todos os direitos reservados.
Garça-boieira
Bubulcus ibis
A garça-boieira é uma fiel acompanhante do gado bovino, podendo ser vista com
frequência nos campos, procurando alimento entre aqueles animais.
Identificação
É uma garça de média dimensão, com a plumagem quase totalmente branca, mas
com manchas alaranjadas no dorso e na coroa, sobretudo durante a época de
reprodução. O bico é amarelo, tornando-se alaranjado na Primavera. As patas são
pretas, mas também se tornam alaranjadas na época de criação.

Abundância e calendário
Esta garça pode ser vista em Portugal durante todo o ano. É geralmente bastante
numerosa e não é raro encontrar bandos de várias centenas de aves juntas. Esta é
a mais terrestre de todas as garças, surgindo muitas vezes longe de água,
associada ao gado bovino, equino e ovino ou acompanhando as máquinas agrícolas.
Durante a época dos ninhos ocorre principalmente a sul do Tejo e na Beira Baixa,
observando-se as maiores concentrações nas zonas das colónias, mas a partir do
final do Verão aparece também com bastante frequência na Beira Litoral e, por
vezes, no norte do país.
Onde observar

A sul do Tejo, a garça-boieira pode ser observada com facilidade um pouco por
todo o território.

Entre Douro e Minhopouco comum nesta região, observa-se por
vezes nas terras baixas do litoral, particularmente na época fria.

Litoral centrofora da época de nidificação aparece regularmente na
lagoa de Óbidos, na zona de São Martinho do Porto, em Peniche, no Baixo
Mondego e junto às lagoas de Quiaios.

Beira interiorocorre com regularidade na zona de Castelo Branco e
junto à albufeira da Marateca; no Outono e no Inverno ocorre também na
zona da Covilhã; no resto da região a sua ocorrência parece ser
excepcional.

Lisboa e Vale do Tejo - é frequente no estuário do Tejo e no vizinho
paul da Barroca. Mais para o interior, pode ser vista facilmente no paul do
Boquilobo e na zona de Coruche. Fora da época de reprodução observa-
se em Lisboa, no Escaroupim, no Parque do Tejo e na várzea de Loures.

Alentejocomum e bem distribuída, é fácil de observar no estuário do
Sado, na lagoa de Santo André, na lagoa dos Patos e na região de Elvas.
Ocorre igualmente em Mourão e junto à vizinha albufeira de Alqueva, bem
como na zona de Nisa e no cabo Sardão. No Inverno observam-se por
vezes grandes bandos no aterro sanitário de Beja.

Algarvecomum nas terras baixas do litoral, é frequente na ria de Alvor,
na lagoa dos Salgados e nos campos de golfe de Vilamoura. Também se
observa no paul de Lagos, no cabo de São Vicente, no planalto do Rogil e
na reserva de Castro Marim. Existem duas colónias importantes na
região: uma no Leixão da Gaivota e outra na Ponta da Piedade.
Fatbirder's Top 1000 Birding Websites
Estatuto de conservação em Portugal:

Pouco preocupante