avesdeportugal.info
© avesdeportugal.info - Todos os direitos reservados. Desenvolvido por CiberAjuda.com
Paul da Barroca
Nao muito longe de Alcochete, o chamado Paul da Barroca é um
local de excelência para observação de aves aquáticas de caniçal e
nos últimos anos tem-se notabilizado, no Inverno, pela ocorrência
de grandes bandos de
íbis-pretas.
Visita:
A visita é feita ao longo da pequena estrada que conduz à herdade, numa extensão de cerca de 1,5 km. Esta
estrada atravessa 3 valas, todas elas merecedoras de uma pequena paragem.

Logo ao fim de cerca de 200 metros, a estrada sobe ligeiramente e surge uma pequena ponte sobre a
primeira vala, a partir de onde é possível obter uma ampla vista dos terrenos envolventes (é possível parar
logo após a ponte). A vala é coberta por caniços, que servem de abrigo à  
galinha-d'água e ao rouxinol-bravo
e que, na Primavera, são frequentados pelo
rouxinol-pequeno-dos-caniços e pelo
rouxinol-grande-dos-caniços
. Este é um bom local para observar o secretivo garçote, qur vezes passa a voar
ao longo da vala. Nos últimos anos este tem sido também um local de ocorrência regular do
bispo-de-coroa-amarela, que de Maio a Setembro exibe a sua garrida plumagem preta e amarela. Fora da
época de reprodução é habitual ver-se o
guarda-rios e por vezes o chapim-de-faces-pretas.

De ambos os lados da vala, podem ver-se terrenos agrícolas. O número de aves presentes nestes terrenos
é muito variável, dependendo da quantidade de água que aí exista. Nos últimos anos têm sido observados
grandes bandos de
íbis-pretas invernantes, bem como algumas garças-brancas-grandes (estas duas
espécies, embora essencialmente invernantes, observam-se com regularidade a partir de finais de Agosto).
Outras aves que aqui ocorrem com frequência incluem o
pernilongo, o abibe, o maçarico-de-bico-direito, o
guincho-comum, a petinha-dos-prados e a gralha-preta. (note-se, contudo, que no caso das espécies
aquáticas, o número de aves presentes depende do nível de água nos terrenos).

Passada a primeira vala, a estrada prossegue em linha recta. É possível observar e fotografar algumas
destas espécies a partir do carro. Os fios telefónicos ao longo da estrada são muitas vezes utilizados pelo
cartaxo-comum. Os terrenos do lado direito são muitas vezes frequentados por íbis-pretas e,
ocasionalmente, por bandos de
colhereiros. O pato-real tambem é uma presença habitual. Ao longe existem
alguns postes de alta tensão que servem de suporte a ninhos de
cegonha-branca. Do lado esquerdo é
frequente observar-se a
alvéola-amarela e o exótico tecelão-de-cabeça-preta; sobre o caniçal, avista-se por
vezes o
tartaranhão-ruivo-dos-pauis nos seus voos de caça.
Mais adiante, logo após uma curva e contra-curva, surge a ponte sobre a segunda vala, que na verdade é
uma ribeira (também chamada ribeira das Enguias) que vai desaguar no rio Tejo, cerca de 5 km mais a
norte. Ao longo desta linha de água há grandes caniçais, que na Primavera são bons locais para procurar o
rouxinol-pequeno-dos-caniços e o rouxinol-grande-dos-caniços. Fora da epoca reprodutora e habitual ver-se
o
maçarico-bique-bique e o maçarico-das-rochas.
Os terrenos do lado direito da estrada são frequentados no Inverno por bandos de
abibes. e ibis-pretas.
Um pouco mais à frente, mesmo antes da
herdade, surge a
terceira vala, esta com
menos vegetação que as anteriores. Este
é um bom local para observação de
diversas espécies de garças. Aqui
ocorrem geralmente a
garça-boieira, a
garça-branca-pequena e a garça-real e,
nos últimos anos, tem sido observado
aqui o raro
papa-ratos. Durante a época
reprodutora também se avista a
garça-vermelha e no Inverno têm sido
vistas aqui algumas
garças-nocturnas.
Toda a área do paul é frequentada, na
Primavera, por grandes bandos de
andorinhas-das-barreiras e
andorinhões-pálidos, que aqui vêm
alimentar-se.
A primeira vala, vista da ponte que a atravessa; neste local obtém-se uma ampla vista sobre todo o paul
Nos caniçais da segunda vala é frequente ouvir, na Primavera, o canto do rouxinol-grande-dos-caniços
Aspecto da terceira vala e dos terrenos agrícolas adjacentes; ao fundo,
à direita, as casas da Herdade da Barroca d'Alva
Melhor época: todo o ano

Distrito: Setúbal
Concelho: Alcochete
Onde fica: cerca de 4 km a sul de Alcochete. A partir de Lisboa o acesso é feito pela Ponte Vasco da Gama,
seguindo depois pelo IC3 em direcção a Alcochete e saindo quando surgir a indicação "N119 - Alcochete";
ao chegar à primeira rotunda toma-se a estrada nacional 118 na direcção de Pegões. Cerca de 3 km mais
adiante (junto ao km 7) surge uma outra rotunda, que deve ser contornada a 270 graus, seguindo as
indicações para "Barroca". Começa aqui a estrada que dá acesso ao paul da Barroca.


Caso pretenda conhecer outros locais para observar aves nesta região, sugerimos:
Fatbirder's Top 1000 Birding Websites