avesdeportugal.info
© avesdeportugal.info - Todos os direitos reservados. Desenvolvido por CiberAjuda.com
Lezírias da Ponta da Erva
As lezírias da Ponta da Erva são um conjunto de terrenos totalmente planos
e quase sem árvores, que impressionam pela sua vastidão. Fazem parte
do complexo do estuário do Tejo e são seguramente um dos locais mais
interessantes do país para efectuar observação de aves, tanto de Inverno
como durante a época de reprodução.
Visita:
A melhor forma de visitar as lezírias da Ponta da Erva consiste em percorrer de carro a rede de caminhos a
velocidade moderada, efectuando paragens frequentes para observação. Muitas aves pousam nas
vedações ou nos postes telefónicos e deixam-se observar relativamente bem a partir do interior da viatura.
Entre as espécies que mais frequentemente pousam nas vedações refiram-se a
alvéola-amarela, o
cartaxo-comum e o trigueirão. Os campos são frequentados por diversas espécies de cotovias,
nomeadamente a
calhandrinha, a cotovia-de-poupa e a laverca.
devem ser inspeccionadas, pois muitas delas são frequentadas pelo
mergulhão-pequeno, pela
galinha-d'água, pelo guarda-rios e, na Primavera, pela garça-vermelha e pelo rouxinol-grande-dos-caniços.
Os
arrozais da Giganta, situados cerca de 4 km a sudoeste do Porto Alto, estendem-se por vários
quilómetros e são um local excelente para ver aves em todas as épocas do ano; em Maio e Junho são um
bom local para observar a
perdiz-do-mar, a gaivina-de-bico-preto e a gaivina-dos-pauis, bem como a
alvéola-amarela. No Outono e no Inverno, quando a zona está coberta por restolhos alagados, os terrenos
são frequentados por bandos de
abibes e por inúmeras narcejas, podendo também observar-se a
petinha-ribeirinha. Ocasionalmente aparecem aqui bandos de flamingos.
As
marinhas da Saragoça, situadas cerca de 10 km a sueste de Vila Franca de Xira, são um conjunto de
três tanques onde frequentemente se observam o
mergulhão-pequeno, o galeirão-comum e diversas
espécies de patos, enquanto que os terrenos adjacentes são frequentados, na Primavera, por
perdizes-do-mar e, no Inverno, por bandos de abibes e tarambolas-douradas.
Um pouco mais para sul, a zona denominada
Trinta e Oito Moios é um dos melhores locais para procurar
o
ganso-bravo, que aqui aparece em grandes números a
partir de Outubro. Este é também um bom local para
observar a rara
coruja-do-nabal.

Mais para oeste, junto ao rio Tejo, no Mouchão das Garças
existe um vasto caniçal, que é frequentado pelo
frango-d'água e pelo rouxinol-bravo.
Na Primavera, este é um bom local para procurar o
rouxinol-pequeno-dos-caniços, enquanto que no Inverno
ocorrem aqui o
pisco-de-peito-azul e o
chapim-de-faces-pretas.
Melhor época: todo o ano

Distrito: Lisboa
Concelho: Vila Franca de Xira
Onde fica: na margem esquerda do estuário do Tejo, a sul da chamada “recta do Cabo” (estrada nacional
10). O acesso a partir de Lisboa é feito pela A1 até Vila Franca de Xira, seguindo depois em direcção ao
Porto Alto e virando à direita por um dos vários caminhos agrícolas que entram pela lezíria.
Actualmente o acesso a esta zona encontra-se condicionado, devendo os interessados contactar a
Associação de Beneficiários da Lezíria Grande, a fim de obter autorização.


Caso pretenda conhecer outros locais para observar aves nesta região, sugerimos:
Os arrozais da Giganta, perto da Ponta da Erva, estendem-se por vários quilómetros
Uma grande parte da lezíria
encontra-se coberta por pastagens
As lezírias da Ponta da Erva são cruzadas por diversas valas, ladeadas por caniço, que são frequentadas por aves aquáticas
Fatbirder's Top 1000 Birding Websites