avesdeportugal.info
© avesdeportugal.info - Todos os direitos reservados.
Águia-calçada
Hieraaetus pennatus
O facto mais curioso acerca da águia-calçada é a existência de duas formas – uma
clara e outra escura. Esta pequena águia nidifica em árvores e raramente pousa à
vista, sendo mais fácil de observar em voo.
Abundância e calendário
A águia-calçada é uma espécie maioritariamente estival que pode ser vista em
Portugal sobretudo de Março a Setembro. Distribui-se de norte a sul do país, sendo
bastante frequente no Alentejo, no Ribatejo e na Beira interior, ocorrendo
igualmente, mas em menor número, no nordeste transmontano. Quando em
migração, surge com alguma regularidade junto à costa, nomeadamente no Algarve.
Alguns indivíduos permanecem entre nós durante a estação fria, maioritariamente
junto à faixa costeira.
Identificação
É uma rapina de médias dimensões, que se caracteriza pela sua cauda quadrada e
pelas patas emplumadas. Os indivíduos de fase clara são fáceis de identificar: a
plumagem é preta e branca, conferindo um forte contraste nas partes inferiores, o
que torna estas aves distinguíveis à distância. Já no caso das aves de fase escura,
totalmente castanhas, as probabilidades de confusão são maiores, nomeadamente
com o
milhafre-preto (que se distingue pela cauda bifurcada) ou com as fêmeas de
tartaranhão-ruivo-dos-pauis
(que têm geralmente a cabeça bege). Neste caso, as
águias-calçadas distinguem-se pelas “luzes de aterragem” (dois pequenos pontos
brancos voltados para a frente de ambos os lados do pescoço).
Onde observar

Na Primavera, a águia calçada pode ser vista com relativa facilidade um pouco por todo o país.

Entre Douro e Minhopouco comum na região.

Trás-os-Montespode ser vista na zona de Miranda do Douro, no Baixo Sabor e na serra
do Alvão.

Litoral centro –  pouco comum na região.

Beira interiorpode ser vista principalmente nas zonas raianas da Beira Baixa (Tejo
Internacional e campina de Idanha) e da Beira Alta (albufeira de Santa Maria de Aguiar,
planalto de Riba Côa e Sabugal), mas também ocorre na albufeira da Marateca, nas serras da
Gardunha e da Estrela e em Celorico da Beira.

Lisboa e Vale do Tejona região de Lisboa, o melhor local para ver esta águia é o estuário
do Tejo, mas a espécie ocorre ao longo do vale do Sorraia até Coruche, no Escaroupim e
mais para norte, na zona de Tomar. Também tem sido observada na lagoa de Óbidos,
particularmente durante o Inverno.

Alentejo é a região onde a espécie é mais comum e, portanto, mais fácil de observar. No
Alto Alentejo pode ser vista na zona da barragem de Montargil, em Cabeção, Arraiolos  e nas
zonas de Évora e Elvas. Ocorre igualmente no Baixo Alentejo, particularmente no estuário do
Sado e na região de Barrancos. Durante o Inverno surge no estuário do Sado e na lagoa de
Santo André.

Algarve rara como nidificante, ocorre sobretudo nas épocas de migração; durante a
passagem outonal, o melhor local para ver esta espécie é, sem dúvida, a zona do cabo de
São Vicente, principalmente quando os ventos sopram de leste, formando-se então
concentrações de algumas dezenas ou mesmo centenas de aves.
Fatbirder's Top 1000 Birding Websites
Estatuto de conservação em Portugal:

Quase ameaçada